Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/49046
Title: Plantas com possíveis fins medicinais e/ou profiláticos utilizadas por humanos e bugios-ruivos (alouatta clamitans cabrera,1940): um estudo comparativo
Authors: Rodrigues, Eliana Rodrigues [UNIFESP]
Santos, Thabata Soares Damasceno dos [UNIFESP]
Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Keywords: zoofarmacognosia
etnofarmacologia
bugio-ruivo
comportamento alimentar
plantas antiparasitárias
Issue Date: 27-Sep-2013
Publisher: Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Citation: SANTOS, Thabata Soares Damasceno dos. Plantas com possíveis fins medicinais e/ou profiláticos utilizadas por humanos e bugios-ruivos (alouatta clamitans cabrera,1940): um estudo comparativo. 2013. 55 f. Dissertação (Mestrado) - Instituto de Ciências Ambientais, Químicas e Farmacêuticas, Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), Diadema, 2013.
Abstract: Atualmente a busca por novos fármacos para a cura das mais diversas doenças, tem sido foco de intensa investigação por pesquisadores das várias áreas do conhecimento. Dentre elas, a etnofarmacologia se destaca, pois estuda a aplicação dos recursos naturais pela medicina popular/tradicional de diversas culturas do planeta. No entanto, não é privilégio apenas dos seres humanos a utilização desses recursos para fins medicinais, também há inúmeros registros de animais que utilizam plantas para fins medicinais ou profiláticos. Com base nesses relatos, surgiu a zoofarmacognosia que propõe o estudo da auto-medicação de animais silvestres por meio de plantas em ambiente natural. O presente estudo teve como objetivo observar a utilização de plantas para tratamento e/ou prevenção de parasitoses por bugios-ruivos em habitat natural, e compará-las com dados farmacológicos e etnofarmacológicos previstos em literatura científica. Foi realizada a observação do comportamento geral e alimentar de um grupo de bugios-ruivos durante as estações seca e chuvosa do ano de 2012, suas fezes foram coletadas para análise parasitológica e as plantas consumidas por eles foram coletadas e identificadas taxonomicamente. Em seguida, foram realizados levantamentos bibliográficos farmacológicos para verificar quais plantas consumidas pelos bugios possuem atividade antiparasitária. O comportamento dos indivíduos foi registrado durante 30 dias, totalizando 360 horas de observação direta. Durante a estação chuvosa a maior parte das atividades diárias dos bugios foi gasta em descanso (54%), seguida por alimentação (21%), locomoção (9%), fora de observação (15%) e outros (1%). Já durante a estação seca, obteve-se maior gasto em descanso (68%) e em outros (2%), e menor em alimentação (18%), locomoção (8%) e fora de observação (4%). Com relação ao comportamento alimentar foram amostradas 200 árvores, pertencentes a 84 espécies vegetais, representadas por 39 famílias. Entre os itens vegetais consumidos, predominam as folhas (91,7%), seguidos pelos frutos (8,3%). Durante a estação chuvosa, do total de registros alimentares obtidos, 86% foram em consumo de folhas, 9% em frutos imaturos e 5% em frutos maduros. Já durante a estação seca, obteve-se 78% de registros de folhas e 22% de frutos maduros. Das 84 espécies registradas, 37 foram consumidas durante os quadros de parasitose diagnosticados durante análises laboratoriais realizadas com as 78 amostras de fezes coletadas. Os parasitas detectados nas amostras fecais foram: Trypanoxyuris minutus e Giardia duodenale. Das 37 espécies consumidas, três apresentam atividade antiparasitária descritas na literatura farmacológica: Croton floribundus, Psychotria longipes e Zanthoxylum rhoifolium. Já as plantas que apresentam atividade antiparasitária descritas na literatura farmacológica no período em que não houveram parasitas detectados nas amostras fecais coletadas são: Mangifera indica, Andira anthelmia e Hovenia dulcis. Tais resultados demonstram que as plantas com fins antiparasitários consumidas durante os quadros de parasitose podem indicar um possível finalidade de auto-medicação, enquanto as plantas com fins antiparasitários consumidas no período em que não houveram parasitas detectados nas amostras fecais, podem indicar um possível efeito quimioprofilático por meio da dieta habitual dos primatas. Além disso, tais plantas podem indicar novos potenciais bioativos para a medicina veterinária e humana a serem investigados em futuros estudos farmacológicos. Contudo, ainda são necessários mais estudos de farmacologia sobre as plantas presentes na dieta dos animais, além de outros estudos de zoofarmacognosia para melhor compreensão da relação entre primatas, parasitas e auto-medicação.
URI: http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/49046
Other Identifiers: https://sucupira.capes.gov.br/sucupira/public/consultas/coleta/trabalhoConclusao/viewTrabalhoConclusao.jsf?popup=true&id_trabalho=89840
Appears in Collections:Dissertação de mestrado

Files in This Item:
There are no files associated with this item.


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.