Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/48948
Title: Aptidão cardiorrespiratória e função muscular periférica em tabagistas adultos fisicamente ativos
Authors: Dourado, Victor Zuniga Dourado [UNIFESP]
Lauria, Vinicius Tonon [UNIFESP]
Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Keywords: tabagismo
aptidão cardiorespiratória
função muscular
Issue Date: 26-May-2015
Publisher: Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Citation: LAURIA, Vinicius Tonon. Aptidão cardiorrespiratória e função muscular periférica em tabagistas adultos fisicamente ativos. 2015. 40 f. Dissertação (Mestrado) - Instituto de Saúde e Sociedade, Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), Santos, 2015.
Abstract: INTRODUCTION: It has been suggested that smoking compromises the cardiorespiratory fitness and skeletal muscles. However, the level of physical activity in daily life (NAFD) can be an important confounding factor, as previous studies are based on an assessment of self-reported or based on questionnaires. So NAFD assessment is required one more need to confirm the deleterious effects of smoking on physical fitness. HYPOTHESIS: We tested the hypothesis that physical fitness is committed to smokers without airflow obstruction in their main areas (ie cardiorespiratory fitness, muscle function, balance and body composition), despite the presence of suitable NAFD assessed by accelerometry triaxial . OBJECTIVES: To evaluate and compare the main areas of physical fitness in physically active adults, smokers and nonsmokers. We also evaluated sedentary behavior and its correlation with lung function in smokers participants. METHODS: Twenty eight adult smokers and 38 adult nonsmokers matched for age, sex, body mass index (BMI), body composition and cardiovascular risk were evaluated. Participants were also matched for time spent in moderate to vigorous physical activity after use of a triaxial accelerometer for seven days. Only volunteers who have reached the minimum recommendations of at least 150 min / week of moderate to vigorous physical activity were included. They underwent spirometry, cardiopulmonary exercise testing (CPET) on a treadmill six-minute walk test (6MWT), 9 isokinetic muscle function of the lower limb and upper body balance on a force platform and body composition by bioelectrical impedance. The normality of the variables was evaluated by Kolmogarov-Smirnov test. Continuous variables were compared by t Stundent test, and the correlation using the Pearson or Spearman correlation coefficient. RESULTS: Respectively, smokers and nonsmokers had similar time spent per week in moderate physical activity (median, 4.5 h: interquartile range, 3.6 to 6.2 vs. 4.0 h: 3.5 to 5.3) and vigorous (0.06 h: 0.03 to 0.16 vs. 0.07 h: 0.04 to 0.16). Nevertheless, smokers had poorer forced expiratory volume in one second (91 ± 13 vs. 97 ± 13% pred.). The smokers had worse results CPET (peak V'O2, 92 ± 14 vs. 102 ± 16% pred .; maximum heart rate, 88 ± 9 vs. 94 ± 6% pred.) And the 6MWT (99 ± 14 vs . 106 ± 12% pred.). Muscle function was also reduced in smokers. The knee flexors had lower peak torque at 60 ° / s (47 ± 31 vs. 60 ± 26 Nm), total employment to 60 ° / s (200 ± 156 vs. 273 ± 153 kJ) and total work 300 ° / s (548 ± 470 vs. 825 ± 516 kJ). The forearm extensors showed less total work to 60 ° / s in smokers (169 ± 132 vs. 226 ± 113 kJ) and the forearm flexors, which showed worse peak torque at 300 ° / s (25 ± 9 vs . 9 ± 30 Nm). Observed trend of worse balance in bipedal support with eyes closed in smokers (p = 0.08). Smokers spent more time lying a week compared to nonsmokers (8.2 h: 5.4 to 19.1 vs. 6.1 h: 3.7 to 11.2). CONCLUSION: The appropriate NAFD assessed by accelerometry triaxial did not prevent the deleterious effects of smoking on physical fitness, especially in cardiorespiratory fitness and peripheral muscle function. Our results suggest that smokers are at increased sedentary behavior associated with worse lung function despite the absence of physical inactivity.
Introdução: Tem sido sugerido que o tabagismo compromete a aptidão cardiorrespiratória e os músculos esqueléticos. No entanto, o nível de atividade física na vida diária (NAFD) pode ser um fator de confusão importante, pois estudos anteriores são baseados na avaliação de auto-relato ou baseados em questionários. Assim, é necessária uma avaliação do NAFD mais precisa para confirmar os efeitos deletérios do tabagismo na aptidão física. HIPÓTESE: Testamos a hipótese de que a aptidão física está comprometida em tabagistas sem obstrução ao fluxo aéreo, em seus principais domínios (i.e. aptidão cardiorrespiratória, função muscular, equilíbrio e composição corporal), apesar da presença de NAFD adequado avaliado por meio de acelerometria triaxial. Objetivos: Avaliar e comparar os principais domínios da aptidão física em adultos fisicamente ativos, tabagistas e não tabagistas. Avaliamos também o comportamento sedentário e sua correlação com a função pulmonar dos participantes tabagistas. Métodos: Vinte oito adultos tabagistas e 38 adultos não tabagistas pareados por idade, sexo, índice de massa corporal (IMC), composição corporal e risco cardiovascular foram avaliados. Os participantes também foram pareados pelo tempo gasto em atividade física moderada e vigorosa após o uso de um acelerômetro triaxial por sete dias. Apenas os voluntários que atingiram as recomendações mínimas de pelo menos 150 min/semana de atividade física moderada a vigorosa foram incluídos. Eles realizaram espirometria, teste de exercício cardiopulmonar (TECP) em esteira rolante, teste de caminhada de seis minutos (TC6), função muscular isocinética do membro inferior e superior, equilíbrio postural em uma plataforma de força e composição corporal por impedância bioelétrica. A normalidade das variáveis foi avaliada pelo teste Kolmogarov-Smirnov. As variáveis contínuas foram comparadas pelo teste t de Stundent, e a correlação por meio do coeficiente de correlação de Pearson ou Spearman. Resultados: Respectivamente, tabagistas e não tabagistas apresentaram tempo semelhante gasto por semana em atividade física moderada (mediana, 4,5 h: intervalo interquartil, 3,6 ? 6,2 vs. 4.0 h: 3,5 ? 5,3) e vigorosa (0,06 h: 0,03 ? 0,16 vs. 0,07 h: 0,04 ? 0,16). Apesar disso, os tabagistas apresentaram pior volume expiratório forçado no primeiro segundo (91 ± 13 vs. 97 ± 13% pred.). Os tabagistas apresentaram piores resultados no TECP (pico de V?O 2 , 92 ± 14 vs. 102 ± 16% pred.; frequência cardíaca máxima, 88 ± 9 vs. 94 ± 6% pred.) e no TC6 (99 ± 14 vs. 106 ± 12% pred.). A função muscular também se mostrou reduzida nos tabagistas. Os flexores do joelho 8 apresentaram menor pico de torque a 60°/s (47 ± 31 vs. 60 ± 26 Nm), trabalho total a 60°/s (200 ± 156 vs. 273 ± 153 kJ) e trabalho total a 300°/s (548 ± 470 vs. 825 ± 516 kJ). Os extensores do antebraço apresentaram menor trabalho total a 60°/s nos tabagistas (169 ± 132 vs. 226 ± 113 kJ), assim como os flexores do antebraço, que apresentaram pior pico de torque a 300°/s (25 ± 9 vs. 30 ± 9 Nm). Observamos tendência de pior equilíbrio em apoio bipodal com os olhos fechados nos tabagistas (p = 0,08). Os tabagistas passaram mais tempo deitados por semana em comparação aos não tabagistas (8,2 h: 5,4 ? 19,1 vs. 6,1 h: 3,7 ? 11,2). Conclusão: O NAFD apropriado avaliado por acelerometria triaxial não preveniu os efeitos deletérios do tabagismo sobre a aptidão física, especialmente na aptidão cardiorrespiratória e função muscular periférica. Nossos resultados sugerem que indivíduos tabagistas apresentam maior comportamento sedentário associado à pior função pulmonar a despeito da ausência de inatividade física.
URI: http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/48948
Other Identifiers: https://sucupira.capes.gov.br/sucupira/public/consultas/coleta/trabalhoConclusao/viewTrabalhoConclusao.jsf?popup=true&id_trabalho=2663790
Appears in Collections:Dissertação de mestrado

Files in This Item:
There are no files associated with this item.


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.