Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.unifesp.br/handle/11600/1202
Title: Caracterização funcional da hipertrofia miocárdica induzida pelo isoproterenol e de sua regressão
Authors: Murad, Neif [UNIFESP]
Franco, Marcello Fabiano de [UNIFESP]
Tucci, Paulo José Ferreira [UNIFESP]
Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Keywords: hipertrofia miocárdica
isoproterenol
função sistólica
função diastólica
Issue Date: 1-Jul-2001
Publisher: Sociedade Brasileira de Cardiologia - SBC
Citation: Arquivos Brasileiros de Cardiologia. Sociedade Brasileira de Cardiologia - SBC, v. 77, n. 1, p. 51-58, 2001.
Abstract: OBJETIVO: Analisar as disfunções da hipertrofia miocárdica induzida pelo isoproterenol e de sua regressão. Corações isolados hipertrofiados por isoproterenol (ISO) (8 dias) e após 22 dias de sua suspensão (regressão) foram distendidos. MÉTODOS: Até pressão de repouso (Pr) de 60mmHg, analisaram-se: pressão desenvolvida máxima (PDmáx.); estresse sistólico (sigmamáx); inclinação da reta estresses/deformações; constante de relaxamento; rigidez da câmara e rigidez miocárdica. RESULTADOS: Nos corações hipertrofiados (H) as variações de volume (deltaV) necessárias para Pr=60mmHg foram heterogêneas. Em alguns (H1; n=10) deltaV equivaleu à dos controle (C) enquanto em outros (H2; n=10) foi inferior, e também diferiram quanto ao peso seco, complacência ventricular, rigidez miocárdica, constante de relaxamento,e sigmamáx. PDmáx dos grupos H1 e H2 foram superiores às de C (n=8) e Regressão (R) (n=8). Contudo, sigmamáx de H2 foi menor que C, H1 e R. O mecanismo de Frank-Starling foi deprimido nos corações hipertrofiados. A constante de relaxamento de H2 indicou retardo no decaimento da pressão associado a menor complacência ventricular e rigidez miocárdica acentuada. CONCLUSÃO: Hipertrofia miocárdica induzida pelo ISO não é homogênea. Alguns corações têm alterações pouco expressivas; outros têm comprometimento das funções sistólica e diastólica. A hipertrofia miocárdica reduz a capacidade de gerar força e aprimora a capacidade em variar pressão por aumento da relação massa/volume. Há, também, comprometimento da complacência ventricular e da rigidez muscular.
URI: http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/1202
ISSN: 0066-782X
Other Identifiers: http://dx.doi.org/10.1590/S0066-782X2001000700005
Appears in Collections:Artigo

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
S0066-782X2001000700005.pdf273.37 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.