O padrão de demanda por mão de obra na lavoura paulista e a questão do trabalhador nacional: nem vadio, nem escasso, nem instável (1890-1915)

O padrão de demanda por mão de obra na lavoura paulista e a questão do trabalhador nacional: nem vadio, nem escasso, nem instável (1890-1915)

Título alternativo The standard of workforce demand in agriculture in São Paulo and the native worker: neither idleness nor shortage nor instability (1890-1915)
Autor Tessari, Cláudia Alessandra Autor UNIFESP Google Scholar
Instituição Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Resumo The article examines the relationship between the demand for manpower in agriculture in the São Paulo state between 1890 and 1915, and the forms of worker involvement in productive activity. It defends the idea that it was these forms of worker involvement that formed the stereotypes about a national worker, such as the shortage of these workers, and their instability and idleness. In the most general interpretations about the economic and social formation in Brazil, a predominant factor prevails: the almost exclusion of the poor Brazilian in the production process, as a marginal and accessory element in the productive structure of the export economy. This article analyzes the demand for labor in the tillage industry in São Paulo, showing that it was seasonal and uncertain. It shows that this pattern of intermittent work explains in part the contradiction of a society that had, according to the discourse of the time: either a lack of workers, or an abundance; and at times hard workers, and at other times idle workers.

Este artigo analisa a relação entre o padrão de demanda por mão de obra na agricultura paulista entre 1890 e 1915 e as formas de engajamento do trabalhador na atividade produtiva defendendo a ideia de que estas últimas propiciavam a formação de estereótipos sobre o chamado trabalhador nacional, tais como os da sua escassez e sua instabilidade e ociosidade. Nas interpretações mais gerais sobre a formação econômica e social brasileira, um dado prepondera: a quase exclusão do brasileiro pobre do processo de produção, sendo elemento marginal e acessório na estrutura produtiva central brasileira e paulista. Mostramos que a demanda por trabalho era marcadamente sazonal e incerta gerando, com isso, necessidade de oferta elástica de trabalhadores temporários e explicando, em parte, a contradição de uma sociedade que tinha, segundo o discurso da época, ora falta de trabalhadores, ora abundância; ora trabalho, ora ociosidade.
Palavra-chave Formation of the labor market
Brazilian worker
Agricultural seasonality
Idleness
São Paulo
Formação do mercado de trabalho
Trabalhador brasileiro
Sazonalidade agrícola
Vadiagem
São Paulo
Idioma Português
Data de publicação 2014-05-01
Publicado em Economia e Sociedade. Instituto de Economia da Universidade Estadual de Campinas, v. 23, n. 2, p. 465-487, 2014.
ISSN 0104-0618 (Sherpa/Romeo)
Publicador Instituto de Economia da Universidade Estadual de Campinas
Extensão 465-487
Fonte http://dx.doi.org/10.1590/S0104-06182014000200007
Direito de acesso Acesso aberto Open Access
Tipo Artigo
SciELO S0104-06182014000200465 (estatísticas na SciELO)
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/8373

Exibir registro completo




Arquivo

Nome: S0104-06182014000200465.pdf
Tamanho: 296.4KB
Formato: PDF
Descrição:
Abrir arquivo

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta