Existe relação entre lesão e nível de atividade física em praticantes de futebol amador?

Existe relação entre lesão e nível de atividade física em praticantes de futebol amador?

Author Santana Júnior, Pedro Albuquerque Autor UNIFESP Google Scholar
Advisor Colantonio, Emilson Autor UNIFESP Google Scholar
Institution Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Abstract Introdução: O futebol é a modalidade esportiva mais praticada por homens acima dos 18 anos. Por ser um desporto de contato tem se transformado no maior causador de lesões no mundo, sendo considerada lesão alguma dor que dure ao menos um dia, desta forma o futebol amador pode potencializar a quantidade de acometimentos ocorridos, visto que os jogadores não realizam uma boa preparação para a prática. Objetivo: Verificar a existência da relação entre incidência e gravidade de lesões musculoesqueléticas com os níveis de atividade física em praticantes de futebol amador de um campo com grama sintética. Método: Foram recrutados 50 homens entre 18 a 40 anos de idade, que frequentavam o Campo de Futebol Antônio Augusto de Souza, São Paulo-SP, com mínimo de três anos de prática, sem lesões decorrentes de outras atividades e não atuando profissionalmente. Foram utilizados dois questionários: 1.Questionário de Atividade Física Internacional (IPAQ)- que avaliou níveis de atividade física, e 2. Inquérito de Morbidade Referida (IMR)- que avaliou a incidência de lesões dos voluntários. Para confirmar a associação entre os questionários foi utilizado o Teste exato de Fisher, e fixado o nível de significância de p≤ 0,05. Resultados: Os voluntários apresentaram em média 29,96 ± 5,58 anos de idade, 10,98 ± 2,92 anos completos de estudo e 11,66 ± 5,09 anos de prática de futebol amador. Os voluntários muito ativos representaram 38% dos voluntários e 28% como ativos. Não apresentaram lesões, 54% da amostra, enquanto 32% apresentaram níveis baixos, 10% moderados e 4% elevados níveis de lesão. O estudo encontrou 32 lesões, pois houve indivíduos que apresentaram mais que uma lesão. Os atacantes e zagueiros foram aqueles que apresentaram maiores e menores níveis de acometimentos, respectivamente. O joelho foi o ponto anatômico que mostrou um número mais elevado de lesões com 37,5% dos acometimentos. Os atacantes apresentaram mais lesões no tornozelo, enquanto goleiros, zagueiros, laterais e meio-campistas, no joelho. As entorses apresentaram 34,4% das lesões dos voluntários do estudo, sendo estas as que mais ocorreram. A maioria das lesões detectadas foi decorrente de algum contato representando 59,4% da amostra. A ação desportiva que representou a maior quantidade de acometimentos foi à corrida de velocidade com 28,1%. As lesões de gravidade moderada e leve apareceram com 31,3% cada. Dos indivíduos considerados muito ativos 63,2% não apresentaram lesão, enquanto os indivíduos do grupo irregularmente ativo B apresentaram níveis elevados de lesões. Ainda neste grupo, 64,3% apresentaram algum tipo de lesão. Apenas goleiros e atacantes, apresentaram níveis de lesão elevados. Das lesões ocorridas, em 65,6% delas os indivíduos retornaram as atividades com dores. Entre as associações deste estudo, nenhuma apresentou resultados significativos, com destaque para associação entre IPAQ e o IMR, que apresentou o menor score, entretanto este não foi significante (p=0,420). Conclusão: Sendo assim, conclui-se que entre os jogadores de futebol amador de um campo de grama sintética, não houve relação entre a incidência de lesões musculoesqueléticas com a gravidade das lesões nem tão pouco com o nível de atividade física realizado pelos voluntários.

Introduction: Football is the sport most practiced by men over 18 years. This is a contact sport becoming the biggest cause of injuries in the world, being injuries that lasts for at least one day, in this way the amateur soccer can increase the amount of occurrences happened, since the players do not realize a preparation for the practice. Objective: To verify the existence of the relation between the incidence of musculoskeletal lesions and levels of physical activity in amateur soccer players of a synthetic grass field. Methods: 50 men with ages between 18 and 40 years who played in the Soccer Camp Antônio Augusto de Souza located in São Paulo-SP with no lesions resulting from other activities and nor professionally playing were recruited. Two questionnaires were used: 1.Questionnaire of International Physical Activity (IPAQ) - which assessed levels of physical activity, and 2. Referred Morbidity Inquiry (RMI)- which evaluated the incidence of injuries of the volunteers. Fisher's exact test was used to confirm the association between the questionnaires and the significance level of p≤0.05 was set. Results: The volunteers presented 29.96 ± 5.58 years of age, 10.98 ± 2.92 years of study and 11.66 ± 5.09 years of amateur soccer practice. The very active people accounted for 38% of the volunteers and 28% as active. They did not lesions, 54% of the sample, while 32% had low levels, 10% moderate and 4% high levels of injury. The study had 32 lesions, since individuals could present more than one lesion. The attackers and defenders were those who had higher and lower levels of afflictions, respectively. The knee was the anatomical point, which obtained more lesions with 37.5% of the complications. The attackers had more ankle injuries, while goalkeepers, defenders, sides and midfielders, had more knee injuries. The sprains presented 34.4% of the study volunteers, being the ones that occurred the most. Most of the lesions that occurred, were due to some contact, representing 59.4% of the sample. The sports action that represented the greatest amount of afflictions was the speed race with 28.1%. The lesions of moderate and mild severity appeared with 31.3% each. Of the individuals who are very active, 63.2% did not present an injury, while individuals of the irregularly active group B, which presented high levels of lesions. Still in this group, 64.3% presented some type of lesion. Only goalkeepers and attackers presented levels of injury high. Of the injuries that occurred in 65.6% of them, the individuals returned to activities with of pain. Among the associations in this study, none presented significant results, with association between IPAQ and the IMR, which presented the lowest score, although this did not was significant, with p = 0.420. Conclusion: It is concluded that among amateur soccer players of a synthetic grass field, there was no relationship between the incidence of musculoskeletal injuries, nor with the severity of the lesions and the levels of physical activity performed by the research volunteers, this occurred because the results did not presented significance
Keywords Lesão
Futebol
Sedentarismo
Atividade física
Injury
Soccer
Sedentary lifestyle
Physical activity
xmlui.dri2xhtml.METS-1.0.item-coverage ISS
Language Portuguese
Date 2017-12-21
Published in SANTANA JÚNIOR, Pedro Albuquerque. Existe relação entre lesão e nível de atividade física em praticantes de futebol amador? 2017. 39 f. Trabalho de conclusão de curso de graduação (Educação Física) - Instituto de Saúde e Sociedade, Universidade Federal de São Paulo, Santos, 2017.
Knowledge area Promoção da saúde
Publisher Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extent 39 f.
Access rights Closed access
Type Trabalho de conclusão de curso de graduação
URI https://repositorio.unifesp.br/handle/11600/53313

Show full item record




File

Name: PEDRO SANTANA JÚNIOR.pdf
Size: 1.292Mb
Format: PDF
Description: TCC completo
Open file

This item appears in the following Collection(s)

Search


Browse

Statistics

My Account