Bem-Vindos à Educação Popular: relatos e reflexões a partir da extensão universitária

Bem-Vindos à Educação Popular: relatos e reflexões a partir da extensão universitária

Author Leonardi, Fabricio Gobetti Autor UNIFESP Google Scholar
Assumpção, Raiane Patrícia Severino Autor UNIFESP Google Scholar
Abstract Esta publicação foi elaborada com o objetivo de reafirmar a contribuição da Educação Popular, fundamentada no referencial teórico-metodológico freiriano, para o contexto atual: o início do século XXI, marcado pelo questionamento sobre a capacidade dos paradigmas científicos hegemônicos, das instituições sociais vigentes e dos instrumentos legitimados para a ação política, de responderem as questões e expressões que emergem da realidade social constituída por imensas desigualdades, decorrentes do conflito de classe, das relações étnico-raciais, do conflito geracional, das relações de gênero e da forma de exercício do poder político e econômico. Dante este cenário, os questionamentos também são estendidos para a universidade, ou seja, qual capacidade desta em desempenhar sua função sui generis: que conhecimento a universidade está sendo capaz de gerar (como, para quem e para que o conhecimento tem sido produzido)? Tem sua produção (os novos conhecimentos e a formação profissional) referenciada nas questões postas pela realidade social, sem se submeter à mesma, articulando saberes por meio de um diálogo crítico, fecundo e propositivo? A sua dinâmica político-institucional e didático-pedagógica tem sido sustentada pelos princípios da autonomia do saber e da liberdade de expressão, como também tem preservado a sua natureza pública, laica e democrática? As respostas a essas indagações serão formuladas de acordo com as concepções de educação e de projetos societários que disputam o sentido atribuído à formação dos sujeitos, as formas e as estratégias utilizadas para desenvolver o processo de ensino-aprendizagem e a intencionalidade da produção do conhecimento. Assim, a universidade cumprirá com a sua função social a partir da sua capacidade de organizar e articular os saberes existentes, avançar as fronteiras culturais, produzir conhecimento, gerar pensamento crítico, propor pautas e agendas, formar profissionais e intelectuais. Ou seja, sua capacidade de ser socialmente referenciada, ter a sua existência dinamizada historicamente, promovendo um diálogo crítico, fecundo e propositivo com as questões postas pela realidade social, garantindo a autonomia do saber e a liberdade de expressão. A tarefa é bastante complexa e exigente, pois a universidade é uma instituição dinamizada por interesses, demandas e expectativas variadas, podendo coexistir propostas pedagógicas que tenham intencionalidades distintas e até antagônicas, que tomam materialidade no ensino, na pesquisa, na extensão e nas instâncias deliberativas. Em defesa de uma universidade que tenha como intencionalidade a construção da autonomia dos sujeitos, na perspectiva da emancipação humana, é que a Educação Popular é apresentada como uma concepção que, ao promover a indissociabilidade entre ensino, pesquisa e extensão, constrói uma formação acadêmica constituída por saberes específicos (técnico-científico) de um dado campo do conhecimento e por saberes construídos a partir de vivências em determinada realidade (priorizando os produzidos pelos movimentos sociais, comunitários e pelas instituições públicas). Os textos organizados para este livro expressam, a partir das experiências e das reflexões de diferentes sujeitos, argumentos que possibilitam reconhecer a contribuição da Educação Popular para uma formação acadêmica fundada em princípios éticos, na autonomia, na capacidade crítica e propositiva, como também comprometida com a defesa dos direitos humanos e a luta pela emancipação humana. Assim, o primeiro capítulo contém um artigo construído por várias mãos e a partir da práxis (ação-reflexao-ação) vivenciada no Programa de Extensão “Educação Popular - criando e recriando a realidade social”, UNIFESP/BS, em parceria com o grupo do Programa de Educação Tutorial (PET) em Educação Popular (convênio UNIFESP e MEC/Sesu) O segundo capítulo traz, através de um trabalho de iniciação científica, uma análise crítica sobre o sistema prisional paulista e as intervenções profissionais dos assistentes sociais na perspectiva de sua direção social e política. O estudo traz reflexões gestadas na parceria com o GEPEX (Grupo Estudos, Pesquisa e Extensão em Segurança Pública, Justiça Criminal e Direitos Humanos na UNIFESP/BS). O terceiro capítulo surge num cenário de violação dos direitos humanos, o bairro Quarentenário, em que a parceria entre a ONG Camará e o CRDH Unifesp/BS (Centro de Referência em Direitos Humanos da Unifesp Baixada Santista) propôs espaços de diálogos abertos sobre os temas emergentes daquela realidade. Este texto sistematiza a aprendizagem acumulada na graduação em Serviço Social e na experiência de estágio supervisionado realizado no local. No quarto capítulo, a dimensão religiosa no cotidiano das mulheres encarceradas é analisada à luz de duas religiões que oferecem assistência religiosa dentro dos presídios, a evangélica e a católica. Este estudo qualitativo também surge das reflexões e parcerias junto ao GEPEX (Grupo Estudos, Pesquisa e Extensão em Segurança Pública, Justiça Criminal e Direitos Humanos na UNIFESP/BS). O quinto capítulo coloca uma reflexão sobre a metodologia da Educação Popular Freiriana, a partir de sua concepção de sociedade, de ser humano e de conhecimento. Nele, será possível entrar em contato com termos como: conscientização, círculo de cultura, práxis, leitura de mundo, etc. O sexto capítulo oferece reflexões sobre uma experiência protagonizada pelo Centro de Referência em Direitos Humanos em parceria com o Núcleo de Estudos Heleieth Saffioti (NEHS): relações de gênero, sexualidades e movimentos sociais da UNIFESP/Baixada Santista, através da realização da Oficina “Gênero, Diversidade e Direitos” com profissionais da Secretaria Municipal de Educação do município de Santos. O desafio foi introduzir mecanismos capazes de causar rupturas com significados essencialistas presentes na sociedade e reproduzidos nas escolas, além de tentar deixar, a partir dos(as) educadores(as), o terreno fértil para transformações no modo de compreender as relações de gênero e a sexualidade. Desejamos uma ótima leitura e que os textos aqui apresentados possam estimular o debate, reflexões para qualificar a prática e gerar provações sobre nossa capacidade de construirmos a História, sermos sujeitos nos processos sociais em que estamos inseridos, possibilitam que outros, que não se fizeram presentes, tenham a possibilidade de estarem comprometido com construção de uma sociedade que negue qualquer forma de desigualdade.
Keywords Educação popular
Educação
Extensão universitária
Sexualidade
Encarceramento
Gênero
Metodologia
Sistema prisional
Programa de Educação Tutorial
Centro de educação em Direitos Humanos
Language Portuguese
Date 2014
Published in LEONARDI, Fabricio Gobetti; ASSUMPÇÃO, Raiane Patrícia Severino. Bem-Vindos à Educação Popular: relatos e reflexões a partir da extensão universitária / organizadores Raiane Patrícia Severino Assumpção e Fabrício Gobetti Leonardi. 1ª Edição – Santos, SP:Editora Pet educação Popular: 2014. 60 p.
Publisher Raiane Patrícia Severino Assumpção
Extent 60 p.
Origin
Access rights Open access Open Access
Type Book
URI http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/50952

Show full item record




File

Name: Bem-vindos Educação Popular com ISBN.pdf
Size: 2.716Mb
Format: PDF
Description:
Open file

This item appears in the following Collection(s)

Search


Browse

Statistics

My Account