Análise da Adequação de Suplementos Prebióticos, Probióticos e Simbióticos Comercializados no Brasil

Show simple item record

dc.contributor.advisor Pereira, Cláudia Cristina Alves [UNIFESP]
dc.contributor.author Silva, Talita Oliveira da [UNIFESP]
dc.coverage.spatial Santos pt_BR
dc.date.accessioned 2019-05-06T13:14:38Z
dc.date.available 2024-05-03
dc.date.available 2019-05-06T13:14:38Z
dc.date.issued 2018-12-10
dc.identifier.uri http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/49830
dc.description.abstract O objetivo do presente estudo foi avaliar a adequação dos rótulos de suplementos prebióticos, probióticos e simbióticos comercializados nacionalmente. Para a análise foram utilizados instrumentos brasileiros de regulamentações quanto a alegações de propriedades funcionais nos rótulos de alimentos (RES n° 18/1999), rotulagem de alimentos embalados (RDC n° 360/2003), declaração a respeito de glúten nos rótulos (Lei n° 10.674/2003), o regulamento técnico de substâncias bioativas e probióticos isolados com alegação de propriedades funcional e ou de saúde (RDC n° 02/2002), além de listas de alegações publicadas em 2016 pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária que se aplicam às fibras prebióticas como inulina e frutooligossacarídeos e lista de probióticos permitidos para uso em alimentos e suplementos (ANVISA, 2016). Ainda, foi verificada a adequação dos rótulos quanto às exigências à nova resolução sobre requisitos sanitários de suplementos alimentares (RDC n° 243/2018). Verificou-se que a maioria dos rótulos de suplementos probióticos apresentava-se de acordo com as regulamentações. Os produtos prebióticos e simbióticos apresentaram número considerável de inadequações no que se refere a lista de alegações da ANVISA a respeito de fibras prebióticas e quanto a rotulagem de alimentos embalados RDC n° 360/2003. Ao verificar a adequação dos rótulos dos suplementos quanto às diretrizes da nova resolução, nenhum destes encontrou-se dentro das exigências. De acordo com o que pode ser observado, os rótulos de suplementos probióticos apresentaram maior porcentagem de adequação se comparados aos prebióticos e simbióticos. Ademais, a rotulagem dos produtos prebióticos e simbióticos revelaram muitas inadequações, relativas principalmente à quantidade de fibras presentes na porção ou declaradas de maneira incorreta na tabela de informação nutricional. pt_BR
dc.format.extent 08 p. pt_BR
dc.language por pt_BR
dc.publisher Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP) pt_BR
dc.rights Acesso aberto pt_BR
dc.subject Suplementos alimentares pt_BR
dc.subject Probióticos pt_BR
dc.subject Prebióticos pt_BR
dc.subject Simbióticos pt_BR
dc.subject Alimentos funcionais pt_BR
dc.subject Rotulagem pt_BR
dc.subject Legislação pt_BR
dc.title Análise da Adequação de Suplementos Prebióticos, Probióticos e Simbióticos Comercializados no Brasil pt_BR
dc.type Trabalho de conclusão de curso de graduação pt_BR
unifesp.campus Instituto de Saúde e Sociedade (ISS) pt_BR
unifesp.knowledgeArea Nutrição pt_BR
dc.contributor.authorLattes http://lattes.cnpq.br/3199500117313184 pt_BR
dc.contributor.advisorLattes http://lattes.cnpq.br/3199500117313184 pt_BR
unifesp.departamento Políticas Públicas e Saúde Coletiva pt_BR
unifesp.graduacao Nutrição pt_BR



File

Name: TalitaOliveira ResumoExpandido 2018.pdf
Size: 299.0Kb
Format: PDF
Description: Resumo Expandido
Open file

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record

Search


Browse

Statistics

My Account