Estudo da impulsividade na dependência de cocaína/crack e no transtorno do jogo: aspectos neurocognitivos e de neuroimagem

Estudo da impulsividade na dependência de cocaína/crack e no transtorno do jogo: aspectos neurocognitivos e de neuroimagem

Autor Ramos, Anna Carolina Autor UNIFESP Google Scholar
Orientador Galduroz, Jose Carlos Fernandes Galduroz Autor UNIFESP Google Scholar
Instituição Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Pós-graduação Psicobiologia
Resumo Impulsivity is a characteristic shared by many psychiatric disorders, such as the attention deficit hyperactivity disorder, schizophrenia and drug addiction. Although the impact of impulsivity on the development and maintenance of these disorders is well stablished, its underlying mechanisms are still not well understood. The present study evaluated both impulsivity and executive functioning (EF) on cocaine and crack addiction, through the analysis of correlations between different measures of impulsivity and its relationship with the treatment with cognitive-behavioral therapy. The neurobiology of impulsivity and its relation with other measures was also investigated in this study on gambling disorder, a behavioral addiction. These studies allowed a broad overview on the role of impulsivity on both drug-related and gambling disorders. As part of our results we observed higher levels of impulsivity in drug dependent individuals in comparison to healthy subjects. However this result was not consistent across in all impulsivity measures, with higher differences being observed on the self-report measure (Barratt Impulsiveness Scale). Additionally, there was a difference in the neural response on a task of inhibitory control (the Go/No-go task) between pathological gamblers (PG) and healthy subjects. On both cocaine/crack dependent subjects and PG, the several different measures of impulsivity showed little correlation with EF and with the BOLD signal (of the functional magnetic resonance imaging). Therefore we concluded that impulsivity is a prominent feature on both studied disorders, and it can be altered with treatment and abstinence. Nevertheless, it is important to use different measures to evaluate impulsivity, as it is not a unitary concept.

A impulsividade caracteriza diversas condições psiquiátricas, tais com transtorno de déficit de atenção e hiperatividade, esquizofrenia e dependência de drogas. Entretanto, a relação da impulsividade com o desenvolvimento e a manutenção destes transtornos, embora já bem estabelecida, ainda não tem seus mecanismos bem esclarecidos. O presente trabalho avaliou a impulsividade e as funções executivas (FEs) na dependência de cocaína e de crack, investigando as correlações entre diferentes medidas deste constructo e também a sua relação com o tratamento com psicoterapia cognitivo-comportamental. Como medidas de impulsividade foram utilizadas a Escala de Impulsividade de Barratt (BIS-11), o Questionário de Desconto do Futuro, o Stroop Color-Word Test e o Teste Stop-Signal. Para avaliação das FEs foram utilizados o teste Wisconsin de Classificação de Cartas e o teste Procurar Símbolos. Também foi utilizado um exame de Imagem por Ressonância Magnética funcional (IRMf) para avaliara a resposta cerebral à inibição comportamental na tarefa controle inibitório Go/No-go (GNG). A neurobiologia da impulsividade e sua relação com outras medidas foram investigadas no transtorno do jogo, uma dependência comportamental. Isto permitiu uma ampla visão sobre o papel da impulsividade tanto na dependência de substâncias quanto no transtorno do jogo. Entre os resultados encontrados observamos maiores níveis de impulsividade nos dependentes do que em indivíduos saudáveis, porém, este resultado não foi consistente em todas as medidas, sendo mais saliente na medida de autorrelato (BIS-11). Além disto, houve diferença na resposta cerebral diante do desempenho de uma tarefa GNG entre jogadores patológicos (JPs) e sujeitos saudáveis. Tanto nos dependentes de cocaína/crack quanto nos JPs as diferentes medidas de impulsividade apresentaram pouca correlação com medidas de FEs e com o sinal BOLD (da imagem por ressonância magnética funcional). Concluímos que a impulsividade é um traço marcante nos dois tipos de dependência estudado, e que é alterado com o tratamento e abstinência. Porém, é importante o uso de diversas medidas para a avaliação da impulsividade, pois ela não é um constructo unitário.
Assunto transtornos relacionados ao uso de cocaína
jogo patológico
comportamento impulsivo
imagem por ressonância magnética
Idioma Português
Data 2015-05-31
Publicado em RAMOS, Anna Carolina. Estudo da impulsividade na dependência de cocaína/crack e no transtorno do jogo: aspectos neurocognitivos e de neuroimagem. 2015. 88 f. Tese (Doutorado) - Escola Paulista de Medicina, Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), São Paulo, 2015.
Linha de pesquisa Medicina
Área de concentração Ciências da saúde
Editor Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 88 p.
Fonte https://sucupira.capes.gov.br/sucupira/public/consultas/coleta/trabalhoConclusao/viewTrabalhoConclusao.jsf?popup=true&id_trabalho=2412738
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Tese de doutorado
URI http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/49007

Mostrar registro completo




Arquivos deste item

Arquivos Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(s)