Estado nutricional e consumo alimentar de crianças menores de dois anos atendidas em unidades básicas de saúde da cidade de Diadema, São Paulo, Brasil

Estado nutricional e consumo alimentar de crianças menores de dois anos atendidas em unidades básicas de saúde da cidade de Diadema, São Paulo, Brasil

Título alternativo Nutritional status and food intake in children under two years followed in Basic Health Care Units of the Diadema City, Sao Paulo, Brazil.
Autor Castro, Lucíola Sant'Anna de Autor UNIFESP Google Scholar
Orientador Gimeno, Suely Godoy Agostinho Autor UNIFESP Google Scholar
Instituição Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Pós-graduação Saúde Coletiva – EPM
Resumo Objetivo: Avaliar o estado nutricional e o consumo alimentar de crianças menores de dois anos atendidas em Unidades Básicas de Saúde (UBS) da cidade de Diadema, SP, Brasil. Métodos: Estudo transversal, realizado de abril a dezembro de 2012, que avaliou lactentes frequentadores de 6 UBS da cidade de Diadema, SP. Foram coletados dados antropométricos (peso e comprimento atuais) e de consumo alimentar dos lactentes, conforme o Formulário de Marcadores de Consumo Alimentar para Indivíduos Menores de 5 anos do Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional, e dados sociodemográficos maternos. O estado nutricional, em escore z, foi classificado com base nos pontos de corte recomendados pela Organização Mundial da Saúde e o consumo alimentar foi categorizado de acordo com o formulário. Com o objetivo de identificar perfis socioeconômicos maternos, empregou-se a técnica estatística de análise fatorial exploratória, encontrando-se dois perfis socioeconômicos: Perfil 1: mães com menor renda, menor escolaridade e beneficiárias do Programa Bolsa Família (PBF); Perfil 2: mães com mais idade, com maior número de filhos e com maior número de residentes no domicílio. Empregaram-se estatísticas qui-quadrado e t de Student nas análises inferenciais, considerando o nível de significância ? igual a 5%. Resultados: Entre as 350 crianças incluídas no estudo, 51,7% das crianças eram do sexo feminino e 68% tinham idade entre 6 e 23 meses. Observou-se elevada prevalência de excesso de peso (17,4%) entre as crianças de 6 a 23 meses (p=0,000), principalmente entre aquelas que faziam uso de mamadeira (p= 0,020) e eram beneficiárias do PBF (p= 0,045). O déficit ponderal foi de menor magnitude, porém importante nas crianças menores de seis meses (IC95%= 1,14; 19,9), enquanto que o déficit de estatura para idade foi moderado (11,6%). Em relação ao consumo alimentar, 56% do total de crianças recebia leite materno por ocasião da coleta de dados. Dentre as crianças com menos de 6 meses (n= 112), as prevalências de aleitamento materno exclusivo, predominante e complementado foi de 41,1%, 21,4% e 21,4%, respectivamente; a introdução dos alimentos complementares foi precoce com maior freqüência de água ou chá (58,6%), fórmula infantil (49,2%) e leite de vaca (25%). Dentre as crianças de 6 a 23 meses, a maioria não recebia mais o leite materno (55,6%), tinha consumo insuficiente de frutas, legumes/verduras, carnes e feijão, tendo recebido açúcar, mel ou melado (32,4%) e papa salgada antes dos seis meses de idade (45,2%); e as práticas alimentares inadequadas, mais frequentes, foram o consumo de suco ou refresco industrializado no último mês (60,8%), não ter recebido leite materno no dia anterior (56,9%), consumo de leite com espessante no dia anterior (54,3%), refrigerante no último mês (54,2%), ter realizado alguma refeição assistindo TV (33,3%). Dos perfis socioeconômicos maternos encontrados, o Perfil 1 foi associado estatisticamente com o excesso de peso nas crianças (p=0,011) e com o consumo de água/chá (p= 0,047), leite de vaca (p= 0,030) e papa salgada (p= 0,019), enquanto o Perfil 2 foi associado estatisticamente com os déficits de estatura e peso e o excesso de peso (p= 0,024, p=0,003 e p= 0,025, respectivamente) e com o consumo de leite materno (p= 0,048). Conclusão: Com este estudo pôde-se concluir que as crianças menores de dois anos, atendidas nas UBS da cidade de Diadema estudadas, apresentaram elevada prevalência de excesso de peso, principalmente as beneficiárias do PBF, e consumo alimentar inadequado. Os resultados indicam a necessidade de qualificação e conscientização dos profissionais de saúde para a promoção das ações de alimentação e nutrição, bem como, para a vigilância alimentar e nutricional no cotidiano de trabalho.
Assunto lactente
vigilância nutricional
estado nutricional
consumo de alimentos
análise fatorial
aleitamento materno
alimentação complementar
Idioma Português
Data 2014-07-07
Publicado em CASTRO, Lucíola Sant'Anna de. Estado nutricional e consumo alimentar de crianças menores de dois anos atendidas em unidades básicas de saúde da cidade de Diadema, São Paulo, Brasil. 2014. 118 f. Dissertação (Mestrado) - Escola Paulista de Medicina, Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), São Paulo, 2014.
Linha de pesquisa Saúde coletiva
Área de concentração Ciências da saúde
Editor Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 118 p.
Fonte https://sucupira.capes.gov.br/sucupira/public/consultas/coleta/trabalhoConclusao/viewTrabalhoConclusao.jsf?popup=true&id_trabalho=1490517
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Dissertação de mestrado
URI http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/48643

Mostrar registro completo




Arquivos deste item

Nome: Tese-14491.pdf
Tamanho: 2.594Mb
Formato: PDF
Descrição:
Visualizar/Abrir

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(s)