Saúde mental na atenção básica no município do Guarujá/SP: a percepção de enfermeiros e agentes comunitários de saúde acerca de suas práticas na estratégia de saúde da família

Saúde mental na atenção básica no município do Guarujá/SP: a percepção de enfermeiros e agentes comunitários de saúde acerca de suas práticas na estratégia de saúde da família

Author Gazignato, Elaine Cristina da Silva Autor UNIFESP Google Scholar
Advisor Silva, Carlos Roberto de Castro e Silva Autor UNIFESP Google Scholar
Institution Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Graduate program Interdisciplinar em Ciências da Saúde
Abstract The Family Health Strategy is the main gateway in primary health system even as the demands for mental health. However, these guidelines from the Ministry of Health are recent and require changes in the functioning of the health system, highlighting a closer look to the professional team of family health as their preparation and ability to cope with this demand that used to be directed to specialized services. In this sense, the objective of this study is to investigate the perceptions of nurses and community health workers of the Family Health Units in the city of Guaruja-SP as the demands of mental health. This is an exploratory and descriptive qualitative approach, data were collected in semistructured interviews and subjected to content analysis. We interviewed 05 community health workers and 05 nurses of all five Family Health Units the municipality. The results were organized into four thematic main: conceptions of mental health, work acting, inter-relationship and networking. Regarding conceptions in mental health can be observed that are related to changing patient behavior, living conditions that may contribute to the onset of disease and the person considered difficult to handle. In general, the referral to the specialist was cited as the most practiced, however, guidance, listening, encouragement and care practices also emerged as recurring. The links with staff, patients and families trigger feelings related to fear, discomfort, insecurity and powerlessness against the demand for mental health. Moreover, the close and constant interaction with the community and knowledge of this fact favors the bonds and shares of professionals. The relationship with family shows up it’s extremely important in the evolution of treatment, but often it is little strengthened, and the staff does not always show itself capable of accepting and sharing the doubts and anxieties, especially community health workers in relation to these patients. In this sense, there is need to strengthen the networking that despite some important initiatives is still incipient, and the importance of continuing education to prepare professionals to deal with this demand. The work of the Specialist Orientation mental health, defined as a technical support in specific areas to the responsible teams for the development of basic health, was cited as a suitable alternative strategy to deal with the issue of ignorance and inexperience of the healthcare family team, and may strengthen the practice of co-responsibility of patients needing such care. We consider data from that work articulated networking, continuing education and matricial are strategies that can generate positive results contributing to a service based on the principles and guidelines of the SUS and the Psychiatric Reform.

A Estratégia de Saúde da Família é a principal porta de entrada da Atenção Básica no sistema de saúde, inclusive quanto às demandas de saúde mental. No entanto, essas diretrizes do Ministério da Saúde são recentes e exigem alterações no funcionamento do sistema de saúde, destacando um olhar mais atento para o profissional da equipe de saúde da família quanto à sua preparação e capacidade de lidar com esta demanda, que até então era dirigida ao serviço especializado. Neste sentido, o objetivo do presente trabalho é investigar as percepções dos enfermeiros e agentes comunitários de saúde das Unidades de Saúde da Família do Município do Guarujá-SP quanto às suas práticas em saúde mental. Trata-se de um estudo exploratório e explicativo de abordagem qualitativa, cujos dados foram coletados em entrevistas semiestruturadas e submetidas à análise de conteúdo. Foram entrevistados 05 agentes comunitários de saúde e 05 enfermeiras da totalidade das cinco Unidades de saúde da família do município. Os resultados foram organizados em quatro núcleos temáticos principais: concepções de saúde mental, atuação em saúde mental, inter-relacionamentos e trabalho em rede. Em relação às concepções em saúde mental, observar-se que estão relacionadas à mudança do comportamento do paciente, às condições de vida que podem contribuir para o desencadeamento de doenças e à pessoa considerada difícil de lidar. De um modo geral, o encaminhamento para o especialista foi citado como a ação mais praticada; no entanto, a orientação, a escuta, o incentivo e acolhimento também surgiram como práticas recorrentes. Os inter-relacionamentos com a equipe, o paciente e as famílias desencadeiam sentimentos ligados ao medo, desconforto, insegurança e impotência frente à demanda de saúde mental. Por outro lado, o convívio próximo e constante com a comunidade e o conhecimento desta realidade favorecem os vínculos e as ações dos profissionais. A relação com a família mostra-se de extrema importância na evolução do tratamento, mas muitas vezes ela é pouco fortalecida; e a equipe nem sempre mostra-se capaz de acolher e dividir as dúvidas e angústias, principalmente do agente comunitário de saúde na relação com estes pacientes. Neste sentido, há necessidade do fortalecimento do trabalho em rede, que apesar de algumas iniciativas importantes, ainda se encontra em estado inicial, além da necessidade da educação continuada para preparar os profissionais para lidarem com esta demanda. O trabalho do Matriciamento em saúde mental, definido como um suporte técnico em áreas específicas para as equipes responsáveis pelo desenvolvimento de ações básicas de saúde, foi citado como uma estratégia alternativa e adequada para lidar com a questão do desconhecimento e da inexperiência da equipe de saúde da família, podendo fortalecer a prática de corresponsabilização dos pacientes que necessitam destes cuidados. Considera-se a partir dos dados que o trabalho articulado em rede, a educação continuada e o matriciamento são estratégias que podem gerar resultados positivos contribuindo para um atendimento baseado nos princípios e diretrizes do SUS e da Reforma Psiquiátrica.
Keywords family health program
mental health
primary health care
community health worker
nurses
programa de saúde da família
saúde mental
atenção primária à saúde
enfermeira
Language Portuguese
Date 2013-02-27
Published in GAZIGNATO, Elaine Cristina da Silva. Saúde mental na atenção básica no município do Guarujá/SP: a percepção de enfermeiros e agentes comunitários de saúde acerca de suas práticas na estratégia de saúde da família. 2013. 99 f. Dissertação (Mestrado) - Instituto de Saúde e Sociedade, Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), Santos, 2013.
Research area Interdisciplinar
Knowledge area Multidisciplinar
Publisher Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extent 99 p.
Origin https://sucupira.capes.gov.br/sucupira/public/consultas/coleta/trabalhoConclusao/viewTrabalhoConclusao.jsf?popup=true&id_trabalho=97794
Access rights Closed access
Type Dissertation
URI http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/46815

Show full item record




File

File Size Format View

There are no files associated with this item.

This item appears in the following Collection(s)

Search


Browse

Statistics

My Account